Make your own free website on Tripod.com

Shigeru Egami

Shigeru Egami nasce em 1912 na Prefeitura de Fukuoka, numa família ligada ao comércio e à construção civil.

Aos 13 anos inicia-se na prática do Judo e ao longo da sua juventude praticaria também Kendo. Em 1924, nos seus tempos de liceu, observa técnicas de Okinawa-te pela primeira vez, executadas por um contramestre de construção-civil originário de Okinawa.

Em 1931 ingressa num curso comercial na Universidade de Waseda, e treina durante algum tempo Aikido. Acaba por travar conhecimento com Ghichin Funakoshi tornando-se  o seu primeiro discípulo nessa universidade e ajudando o Mestre a fundar o Clube de Karate local. Nesse mesmo ano um seu colega da universidade começa a praticar no clube - o seu nome é Genshin Hironishi e a amizade aí firmada manter-se-á por toda a vida de ambos.

No início dadécada de 30 empenha-se na divulgação do karate pelo Japão, através de demonstrações lideradas por Takeshi Shimoda e, após a morte deste, por Yoshitaka Funakoshi. Em meados da década, conclui os seus estudos na Universidade de Waseda obtendo um Bacharelato em Comércio.

Apesar de aparentar uma forma física excepcional, Egami, tal como Yoshitaka Funakoshi, tinha já graves problemas de saúde. Na altura da inspecção militar foi dispensado por apresentar problemas pulmonares e acabaria mesmo por contrair tuberculose.
Com a morte do seu irmão mais velho, Egami vê-se obrigado a partir para Kyushu para gerir, durante algum tempo, a firma familiar de construção civil. Cedo acaba porém por deixar essa ocupação, visto não se adaptar ao tipo de negócios envolvidos.

De regresso a Tóquio Egami empenha-se, juntamente com o filho mais velho de Mestre Funakoshi, no desenvolvimento do Karate-do. É introduzida a prática do Jiyu Kumite ("kumite livre"). Novas posições-de-base (como fudo-dachi) são criadas e inicia-se a prática de técnicas de pernas inéditas, tais como Yoko Geri (Kekomi e Keage) e várias formas de Mawashi-Geri, Fumikomi e Ushiro-Geri. Adoptam-se posições de base mais baixas que as tradicionais.

Em 1935, Egami, adere ao comité criado por Kichinosuke Saigo, importante figura política da época e um dos mais antigos alunos de Gichin Funakoshi, que se propõe, como primeira tarefa, a construção do primeiro dojo de karate no Japão. Esse comité constitui o embrião do Shotokai ("Associação Funakoshi").Assumindo-se sempre como um dos mais activos discípulos de Funakoshi, Egami passa a ensinar Karate nas Universidades de Gakushuin, Toho e Chuo, sendo o mais jovem instrutor a integrar o Comité de Avaliação criado por Mestre Funakoshi.

Em 1945, com o finar da Segunda Guerra Mundial, Egami assiste, em menos de um ano, à destruição da casa e do belo dojo do seu velho Mestre e à morte do seu grande amigo Yoshitaka Funakoshi.

Após a morte de Yoshitaka Funakoshi Egami empenha-se, de forma mais personalizada e solitária, na busca do caminho que o seu Mestre continuamente apontava: transformar a arte de Okinawa numa arte do Budo, partindo do karate para chegar ao Karate-do. Nessa pesquisa oferece o seu abdomen nu (agravando os seus problemas de saúde) aos mais diversos tipos de ataques de punho e acaba por concluir que os ataques dos karatecas mais antigos carecem de eficácia.

A introspecção e investigação pessoal de Egami vai, porém, em sentido inverso ao da corrente iniciada em 1949 - com a formação da JKA. De fato, embora fundada e supervisionada por homens da corrente mais tradicional - Hironishi, Saigo e Obata - a organização cedo se começou a reger por objectivos comerciais, direccionando-se para o grande público, cada vez mais interessado nas práticas e métodos desportivos ocidentais. Em consequência ,os "tradicionalistas" decidem afastar-se da organização, deixando o caminho aberto para homens como Masatoshi Nakayama e Hidetaka Nishiyama que, entretanto tinham assumido a liderança de facto.

A popularidade deste movimento, que inicialmente agradara a Gichin Funakoshi, fá-lo agora preocupar-se, vendo o risco de que se desvirtuem os valores essenciais do Karate-do. Egami sente-se, assim, mais incentivado quer pelo seu Mestre quer pelos discípulos mais antigos a prosseguir com perseverança no sentido do Budo.

Em 1953, Egami começa finalmente, a reencontrar esse caminho: ao receber um ataque do jovem Tadao Okuyama - um karateca dissidente da universidade de Waseda - verifica que o golpe é extraordinariamente mais eficaz que qualquer outro ataque que até então recebera.

Decide, pois, com pouco mais de 40 anos, tomar a audaciosa decisão de mudar radicalmente os conceitos e as formas de execução convencionais. Passa a preconizar o uso de técnicas descontraídas, evitando toda a força desnecessária. Reencontra-se então com as recordações de Shimoda, Yoashitaka Funakoshi e do próprio Gichin Funakoshi cuja forma de golpear, aparentemente leve e descontraída surtia um tremendo efeito.

Ao mesmo tempo, através de Okuyama, toma contacto com o Shinwa Taido de Mestre Hoken Inoue e começa a interessar-se por temas como a energia vital e sua circulação pelo corpo humano.

Em 1955, porém, quando está em plena fase de construção do seu novo método de treino, vê-se forçado, a submeter-se a duas intervenções cirúrgicas ao estômago, no espaço de um ano, que o deixam extremamente debilitado e quase impossibilitado de treinar, fisicamente.

As dificuldades financeiras decorrentes da hospitalização e a impossibilidade de trabalhar acabam por ser superadas, com muita dificuldade, através da preciosa ajuda de amigos como Hironishi, Okuyama e Yanagisawa.

Em 1957, morre o seu grande Mestre e mentor, Gichin Funakoshi. As exéquias são entregues pela família do Mestre  Ghichin Funakoshi a direção da Shotokai ("Associação Funakoshi") em geral e a Shigeru Egami em particular. A JKA revolta-se contra essa decisão e, a despeito dos pedidos de Egami e Hironishi, recusa-se a participar no funeral do Mestre.

A partir da morte de Gichin Funakoshi, Shigeru Egami, passa a assumir a liderança efectiva da "Associação Funakoshi" - Shotokai - tornando-se o Instrutor Chefe do Shotokan - o dojo do Mestre Funakoshi, entretanto reconstruído.

Em 1963, (ou talvez pela superação da sua débil saúde ), acaba por descobrir técnicas que ultrapassam a mera execução física, como o toate - ataque à distância, sem contacto físico - abrindo um novo caminho para os seus discipulos.

Em 1967, quando orienta um estágio de Verão na Universidade de Chuo acabar, porém, por quase sucumbir a um ataque cardíaco, sendo salvo da morte, "in extremis", por uma reanimação efectuada pelo seu discípulo Hiroyuki Aoki. A sua força física fica literalmente reduzida à de um recém nascido e Egami, vê-se, novamente, confinado a um leito de hospital, por um longo período.
Em lugar de o destruir esta experiência abre-lhe, contudo, uma nova visão. A agonia da morte física durante vários minutos, desperta-lhe um novo significado para a vida e para a prática do Karate-do.

O destino concedera-lhe ainda cerca de duas décadas de vida e ele decide aproveitá-las totalmente para incentivar outros Karatecas a prosseguirem no caminho que fora traçado pelo seu Mestre e que ele agora acrescentara.
Inicialmente através da escrita, depois através da sua presença e alguns anos depois através de uma prática física adaptada à sua condição e idade consegue transmitir as suas ideias e métodos a homens como:
- Mitsusuke Harada, que privou como seu aluno particular entre 1954 e 1955 e que acabaria por introduzir a corrente Shotokai na América do Sul e no Norte da Europa;
- Tetsuji Murakami que a partir de um encontro de poucos meses com Egami e seus discípulos, em 1967, acabaria por se tornar um dos seus mais fiéis seguidores, torna-se o principal impulsionador do Shotokai no Centro e Sul da Europa durante os vinte anos seguintes;
- Hiroyuki Aoki que acabaria por realizar em co-autoria com Egami um importante trabalho de sistematização em livro dos Kata's praticados na escola Shotokai - Karate-do for the Specialist - que lideraria um movimento evolutivo de integração do Karate-do com outras marciais - Sogobudo - e que mais tarde viria a criar uma nova Arte Marcial - o Shintaido;
- Tomojo Miyamoto que viria a assessorar o Mestre nos últimos anos de vida, personalizando as demonstrações técnicas nas suas viagens à Europa em 1976 e 1978 e também no seu derradeiro livro - The Way of Karate, Beyond Technique;
- E muitos outros seguidores como Masaru Mizushima, Koibuchi e Atsuo Hiruma que iriam realizar um importante trabalho de expansão da prática do Karate-do Shotokai no Japão e além fronteiras.

Em 10 de Outubro de 1980, durante um estágio para instrutores o estado de Egami agrava-se e é hospitalizado. Dois dias depois sofre uma hemorragia cerebral. Não voltará a retomar a consciência. A 8 de Janeiro de 1981 morre aquele que foi considerado por muitos mestres da actualidade como "o seguidor de Mestre Funakoshi no mundo do Karate-do".

Para a posteridade ficam, como um desafio a quem o ousar seguir palavras como:
"No mundo desportivo a competição é técnica, pode-se progredir através da luta entre pessoas. Mas que lugar ocupa ela na vida humana ? Conceber o Karate como Budo volta a situá-lo entre a vida e a morte. Não se trata apenas de uma competição técnica. Trata-se da maneira de se comportar e de enfrentar o adversário em situações em que a vida entra em jogo."

"Devemos construir a via do karate, a via da verdade, a via que nos leva aos mais altos cumes. Para tal é preciso retornar ao ponto de partida, ao ensinamento de Mestre Funakoshi. Interrogar-se sobre o que o passado nos transmitiu, estudar nas outras disciplinas do Budom procurar uma técnica superior e estabelecer o karate como uma arte marcial de valor, procurar, enfim, o aperfeiçoamento da via do karate, é esse o nosso dever face ao Mestre. A nossa vocação é de fazer avançar um passo, ou mesmo um meio-passo, o trabalho que nos deixou Mestre Funakoshi..."

Início             Voltar