Make your own free website on Tripod.com

Enpi

(Vôo da Andorinha)

        Este kata é um dos kata mais apreciados pelos praticantes entre todos os katas do estilo shotokan, mas possui golpes, ou combinações de golpes, bastante complexas, como por exemplo, o tsuki-nagashi-uke antecedendo o hiza-geri seguido de mawashi-zuki e gyako-zuki thudan em kosa-dachi e na seqüência ushiro-gedan-barai em zenkutsu-dachi. Outro ponto interessante deste kata e que em especial exige uma melhor performance, e o thudan-teisho-oshi-age-uke/gedan-teisho-osae-uke em zenkutsu-dachi.

 O kata enpi é de origem chinesa e foi introduzido em Okinawa com o nome de wanshu, mas ao ser adotado pelo estilo shotokan passou a se chamar enpi, mas este nome ainda é usado em outros estilos de karate como o estilo wado-ryu.

 O enpi trabalha leveza, como o vôo da andorinha, a dinâmica do corpo de formas altas e baixas, mudança de direção em forma rotativa. É um ótimo kata para trabalhar leveza, rapidez e agilidade nos seus primeiros movimentos, alem de firmeza e segurança ao solo caracterizado pelo salto.

             Este kata possui dois pontos de kiai, o primeiro kiai deve ser realizado no jodan-soto-uke em base hidari-ashi-dachi e o segundo kiai esta no salto finalizado com shuto-uke em kokutsu-dachi.

 Do inicio até o fim do enpi deverão ser realizados 37 kyodos (movimentos) e deverá levar aproximadamente 60 segundos até a sua finalização.

O kata enpi, por ser muito apreciado tanto por professores antigos quanto novos e também por todos os tipos de atletas de karate, alem de ser vastamente utilizado em competições, os iniciantes acabam sentindo-se atraídos por este kata. Uns costumam dizer que pelo fato do enpi ser um kata pequeno não possui muita expressão. Outros já dizem que por possuir um salto o enpi torna-se um kata bastante expressivo. O mais importante não é o tamanho, a forma, quem o aprecia ou não, se tem salto ou não, quem o usa ou quantas vezes se usa em competição.  Lembre-se que toda a expressão do kata está no praticante e não no kata por si só, muitos dizem que kata é apenas um kihon emendado, está errado, este “kihon emendado” apenas torna-se um kata quando o praticante sabe para que serve o que ele esta fazendo, sem isso realmente o que se faz é um kihon, é preciso viver a situação, viver cada momento do kata.